Casas de apostas sem licença da Loterj podem ser bloqueadas no Rio de Janeiro

Atualizado: 1 Jul 2024
heloisa vasconcelos.webp

Escrito por:

Heloísa Vasconcelos

Sobre o autor

Investigo dados e fatos sobre legislação e tendências para criar notícias exclusivas.Leia mais
Jornalista
justiça.jpg

A Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj) teve uma importante vitória na Justiça na última sexta-feira (28). Com a decisão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, as casas de apostas não licenciadas pela autarquia estadual podem ser bloqueadas no estado.

A decisão do desembargador Carlos Zuniga Dourado foi um agravamento de instrumento contra a decisão do Juízo da 13ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, que havia indeferido o pedido da Loterj pelo bloqueio dos sites de apostas não licenciados.

Em resumo, o pedido era de que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) intimasse os provedores de internet a efetuarem "o bloqueio ou a suspensão dos sites arrolados pela Loterj que exploram irregularmente apostas de quota fixa".

O documento esclarece que o bloqueio dos sites não é discutido neste momento, sendo essa medida tomada apenas caso a Anatel verifique o descumprimento da legislação vigente por parte dos sites.

O primeiro pedido foi negado sob as seguintes justificativas:

  • O artigo 35-A da Lei 13.756/2018 permite aos Estados regularem a exploração de modalidades lotéricas exploradas por eles ou autorizadas, entretanto, não autoriza a regulamentação por agentes sem outorga estadual;
  • A Lei 14.790/2023 estabelece que a exploração das apostas de quota fixa deve ocorrer em ambiente concorrencial com autorização do Ministério da Fazenda;
  • A aplicação da Lei 14.790/2023 depende de regulamentação federal e um período de adaptação de noventa dias;
  • A Loterj não possui autoridade para exigir o bloqueio de sites sem uma ordem judicial específica, conforme o artigo 19 da Lei 12.965/2014.

A decisão favorável à Loterj foi dada no entendimento de que a exploração das loterias de quota fixa não é exclusiva da União e, portanto, os estados teriam competência para fazê-lo.

"Ante o exposto, defiro parcialmente a antecipação dos efeitos da tutela para autorizar a Anatel a promover a verificação da legitimidade operacional das empresas arroladas na inicial (ID 418209247), frente à Loterj e, em caso negativo, tomar as providências cabíveis, nos limites do Estado do Rio de Janeiro, para determinar a suspensão das atividades de loteria de apostas de quota fixa que estejam em desacordo com a legislação aplicada à espécie", destaca.

Ainda cabe recurso à decisão.

Reação negativa

O setor de jogos e apostas encarou a decisão de forma negativa. Em nota, a Associação Nacional de Jogos e Loterias (ANJL) afirmou que houve um equívoco no entendimento da Loterj com relação à liminar.

"A liminar determina que a Anatel verifique a legitimidade operacional das empresas arroladas na ação da Loterj nos termos da legislação vigente. Para a ANJL está claro que a Anatel tem o dever de respeitar o art. 9º da Lei nº 14.790/23 e o art. 24 da Portaria nº 827/24, que concederam prazo até 31/12/2024 para todas as empresas obterem suas respectivas licenças sem qualquer punição no Brasil. A Anatel deve ainda respeitar o art. 2º da lei 9.784/99 e o seu regimento interno, que garantem às operadoras a ampla defesa e o contraditório antes de qualquer ordem de retirada dos sites do ar", colocou.

Para a associação, a interpretação dada "não passa de uma nova tentativa frustrada de constranger os operadores a serem forçados a obter a licença estadual antes de ser concluído o prazo para obtenção da Licença Federal".

O Instituto Brasileiro de Jogo Responsável (IBJR) também divulgou nota expressando "preocupação" diante da decisão.

"O IBJR alerta que o posicionamento da Loterj fomenta a insegurança jurídica, prejudicando o ambiente de negócios no Brasil e ameaçando a eficácia do arcabouço legal consolidado pela Lei Federal nº 14.790/2023 e pelas recentes Portarias da SPA/MF, em que os operadores têm até o final do ano para obter suas licenças", declararam.

O instituto ressaltou, ainda, que a decisão deve ser objeto de recurso por parte da Anatel e da União.

O Aposta Legal Brasil buscou a Loterj para um posicionamento sobre o tema e aguarda respostas.

Comentários

Deixe o seu comentário

Veja o que outros usuários dizem

Ainda sem comentários

Artigos relacionados

symbolLogoGreen
agu.png
10 Jul, 2024
AGU recorre pedido da Loterj contra bloqueio de sites de apostas

Para a Advocacia Geral da União (AGU), o bloqueio é inadequado já que a regulamentação do mercado de apostas é uma competência do governo federal.

Mercado
symbolLogoGreen
canal tigrinho.png
9 Jul, 2024
Atenção!
Canais oferecem dinheiro para criação de 'grupos do tigrinho' no WhatsApp

Esquema inclui pagamentos de R$ 20 a R$ 60 para quem criar os grupos, utilizando listas de contatos vazadas na internet. Grupos são utilizados para divulgar cassinos online ou para venda de produtos.

Mercado
symbolLogoGreen
sites bloqueados.jpg
12 Jul, 2024
Atenção!
Sites começam a ser bloqueados no Brasil após decisão favorável à Loterj

Algumas casas de apostas já estão fora do ar e criam links alternativos para manter o funcionamento.

Mercado
symbolLogoGreen
instagram jogo do tigrinho.jpg
28 Jun, 2024
Instagram é notificado para esclarecer divulgação de cassino online por crianças 

O Ministério Público de São Paulo instaurou processo contra a rede social por suposta omissão diante da propaganda de influencers menores de idade para o jogo do tigrinho.

Mercado
symbolLogoGreen
andré fufuca.png
11 Jul, 2024
Ministério do Esporte deve criar secretaria para acompanhar apostas esportivas

De acordo com o ministro André Fufuca, a secretaria será criada para acompanhar a integridade do esporte diante de denúncias de manipulação de resultados.

Mercado
symbolLogoGreen
patrocinio liberadores.jpg
29 Mai, 2024
Quais times da Libertadores são patrocinados por bets? 

Entenda por que os times brasileiros recebem mais patrocínios de casas de apostas frente a times de outros países que disputam a Libertadores de 2024.

Mercado