Como estão as investigações da Operação Penalidade Máxima?

Atualizado: 1 Mar 2024
heloisa vasconcelos.webp

Escrito por:

Heloísa Vasconcelos

Sobre o autor

Investigo dados e fatos sobre legislação e tendências para criar notícias exclusivas.Leia mais
Jornalista
operação penalidade máxima.jpg

Encabeçada pelo Ministério Público de Goiás, a Operação Penalidade Máxima vem denunciando casos de manipulação de resultados no futebol brasileiro desde o final de 2022.

A terceira fase da operação foi deflagrada em novembro do ano passado, investigando sete partidas do Campeonato Brasileiro e de campeonatos estaduais. O objetivo foi cumprir 10 mandados de busca e apreensão em 8 municípios de 5 estados.

De acordo com nota do Ministério Público de Goiás enviada ao Aposta Legal Brasil, as investigações da fase III da operação prosseguem com a realização de interrogatórios e análise de material, não havendo ainda prazo definido para o término.

Como as investigações ainda estão em andamento, o Ministério não quis dar mais informações nem quis conceder entrevista sobre o assunto.

O que se sabe?

A terceira fase da operação é um desdobramento das fases I e II, deflagradas em fevereiro e abril de 2023, respectivamente. Até o momento, as investigações levaram ao oferecimento de 3 denúncias recebidas pelo Poder Judiciário, com 32 pessoas acusadas de crimes de integrar organização criminosa e corrupção em âmbito desportivo.

A fase atual das investigações apura possíveis manipulações ocorridas nas seguintes partidas:

  • Avaí x Flamengo, pela Série A do Brasileirão de 2022;
  • Náutico x Sampaio Corrêa, pela Série B do Brasileirão de 2022;
  • Náutico x Criciúma, pela Série B do Brasileirão de 2022;
  • Goiânia x Aparecidense, pelo Goianão de 2023;
  • Goiás x Goiânia, pelo Goianão de 2023;
  • Nacional x Auto Esporte, pelo campeonato paraibano de 2023; e
  • Sousa x Auto Esporte, pelo campeonato paraibano de 2023.

Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nos municípios de Goiânia (GO), Bataguassu (MS), Campina Grande (PB), Nilópolis (RJ), Santana do Parnaíba (SP), São Paulo (SP), Volta Redonda (RJ) e Votuporanga (SP).

Como ocorrem as investigações?

A suspeita de manipulação em resultados de partidas esportivas parte de algumas ações incomuns por parte de jogadores, que podem estar envolvidos em esquemas de apostas. É o que explica o especialista em gestão de marketing esportivo Ricardo Grego.

“Não é comum que um jogador chute a bola para lateral de propósito. Não é comum quando um time é goleado ou toma um gol muito simples. Na internet tudo é registrado, tudo é dado”, explica.

quoteIcon
Se tem um rastreamento que um jogo x tem um impulsionamento muito grande em uma casa de apostas, você consegue rastrear isso por dados.
ricardo grecco.jpg

Ricardo Grecco

Especialista em gestão de marketing esportivo

Grecco destaca que alguns lances são vistos com maior atenção pelas entidades que acompanham esquemas de manipulação de resultados.

“Cartões amarelos são os mais comuns que a gente tem visto, porque ele não prejudica diretamente o clube. Tiro de meta, lateral, escanteios, esses lances por eles serem menores passam mais facilmente aos olhos do público. Tomar um gol, fazer um pênalti também são mais perceptíveis aos olhos do público e dos órgãos responsáveis”, coloca.

A partir dessas suspeitas, os policiais começam a realizar um levantamento de provas. Então, são emitidos os mandatos de busca e apreensão.

As primeiras fases da Operação Penalidade Máxima levaram à punição de nove jogadores, são eles:

  • Nino Paraíba, atleta do Paysandu-PA; punido com 720 dias e R$ 100 mil de multa.
  • Bryan, atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Athletico Paranaense-PR; 360 dias e R$ 50 mil de multa.
  • Diego Porfírio, atleta do Guarani, eliminação e R$ 60 mil de multa
  • Alef Manga, atleta do Coritiba-PR; 360 dias e R$ 50 mil de multa.
  • Vitor Mendes, atleta do Atlético Mineiro-MG; 720 dias e R$ 70 mil de multa.
  • Sávio Alves, atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Goiás-GO; 360 dias e R$ 30 mil de multa.
  • Thonny Anderson, atleta do ABC-RN; multa de R$ 40 mil.
  • Dadá Belmonte, atleta do América-MG; 600 dias e R$ 70 mil de multa.
  • Igor Cárius, atleta do Sport-PE; R$ 360 dias e R$ 40 mil de multa.

Expectativas

Ricardo Grecco acredita que é possível que novas operações descubram casos antigos que ainda não haviam sido revelados.

Para ele, novos casos de manipulação devem continuar aparecendo, ainda que com menos intensidade que antes da operação.

“Quem jogava contra o futebol já percebe que aquilo não está certo e prefere se proteger. Quando se joga luz sobre um crime, outros que estão praticando tendem a parar”, diz.

Comentários

Deixe o seu comentário

Veja o que outros usuários dizem

Ainda sem comentários

Artigos relacionados

symbolLogoGreen
agu.png
10 Jul, 2024
AGU recorre pedido da Loterj contra bloqueio de sites de apostas

Para a Advocacia Geral da União (AGU), o bloqueio é inadequado já que a regulamentação do mercado de apostas é uma competência do governo federal.

Mercado
symbolLogoGreen
canal tigrinho.png
9 Jul, 2024
Atenção!
Canais oferecem dinheiro para criação de 'grupos do tigrinho' no WhatsApp

Esquema inclui pagamentos de R$ 20 a R$ 60 para quem criar os grupos, utilizando listas de contatos vazadas na internet. Grupos são utilizados para divulgar cassinos online ou para venda de produtos.

Mercado
symbolLogoGreen
sites bloqueados.jpg
12 Jul, 2024
Atenção!
Sites começam a ser bloqueados no Brasil após decisão favorável à Loterj

Algumas casas de apostas já estão fora do ar e criam links alternativos para manter o funcionamento.

Mercado
symbolLogoGreen
justiça.jpg
1 Jul, 2024
Casas de apostas sem licença da Loterj podem ser bloqueadas no Rio de Janeiro

A Loteria do Rio de Janeiro recebeu decisão favorável do Tribunal Regional Federal da 1ª Região para que as casas de apostas não licenciadas no estado sejam bloqueadas pela Anatel. Ainda cabe recurso à decisão.

Mercado
symbolLogoGreen
instagram jogo do tigrinho.jpg
28 Jun, 2024
Instagram é notificado para esclarecer divulgação de cassino online por crianças 

O Ministério Público de São Paulo instaurou processo contra a rede social por suposta omissão diante da propaganda de influencers menores de idade para o jogo do tigrinho.

Mercado
symbolLogoGreen
andré fufuca.png
11 Jul, 2024
Ministério do Esporte deve criar secretaria para acompanhar apostas esportivas

De acordo com o ministro André Fufuca, a secretaria será criada para acompanhar a integridade do esporte diante de denúncias de manipulação de resultados.

Mercado